Em 1997, Gunji Matsumoto foi eleito presidente da associação. No mesmo ano, foram comemorados os 50 anos da ACENBI. No dia 21 de setembro foi realizada a cerimônia comemorativa, porém não se via sentido em comemorar apenas com festividades.

Aproveitando o gancho, a nova diretoria tinha como objetivo novas metas, dar novos saltos. Era o momento de reflexão não só dos membros da diretoria, mas de todos os associados.

Fraternidade

Em homenagem às comemorações de 50 anos, num espaço do Centro Esportivo foi colocada uma pedra fundamental com duas letras em japonês gravadas: “SHINBOKU” (fraternidade). Decorreu meio século desde a fundação da ACENBI, e a pedra fundamental representa a “harmonia entre as pessoas” que o a colônia nikkei vem empregando e conservando em todos os seus eventos realizados.

O espírito de amizade e paz que os primeiros japoneses pregaram ao fundar a associação, hoje perdura entre seus descendentes, que procuram dar continuidade aos trabalhos iniciados por eles. E desta ideologia, hoje, colhemos frutos com diversos destaques dentro da comunidade nikkei. Por exemplo, dentre a segunda geração (NISSEI), encontramos médicos, advogados, professores e pessoas qualificadas nas mais diversas áreas sociais.

Obstáculos

As idéias são nobres, mas a falta de pessoas para administrar e manter a instituição, hoje é um problema geral encontrado por toda a comunidade nikkei do Brasil. No que diz respeito à administração e futuro da associação, tanto faz se é uma instituição de uma cidade pequena ou de uma metrópole, os problemas são similares. E ao se tentar solucionar tais problemas, deparamo-nos com diversos obstáculos, muitos deles de difícl resolução.

Por exemplo, a tendência de redução no número de associados pelo grande contingente de descendentes que vão a trabalho para o Japão. Os jovens de segunda e terceira geração nascem e crescem em Indaiatuba, porém, quando ingressam nas universidades, acabam por afastar-se da cidade para os estudos — e após a conclusão acadêmica se empregam em outras cidades, não retornando à sua cidade natal. Ou então, devido ao uso apenas da língua japonesa pelos japoneses da primeira geração, acabam por dificultar a comunicação com os NISSEI (segunda geração) e SANSEI (terceira geração), não conseguindo transmitir suas idéias e pensamento, ocasionando muitas vezes interpretações equivocadas ou mesmo o desânimo em participar ativamente da administração da associação. Concluindo, é fato o número reduzido de associados, principalmente no que se refere à sucessão de cargos, gerando uma sensação de insegurança para o futuro e talvez uma apreensão com relação ao futuro da associação.

Mas então, que direção seguir com a ACENBI, dentro dessa realidade?

Uma das sugestões do então presidente da Associação, Gunji Matsumoto, é transferir as instalações do prédio da atual Escola de Língua Japonesa para o Centro Esportivo. Estudar desde pequeno, num ambiente que propicie brincar num espaço externo ao prédio da escola, bem como divertir-se com esportes que a associação pode oferecer. Só assim, para que essas crianças possam crescer e desenvolver de modo descontraído.

Ao mesmo tempo em que essa criança vai crescendo em contato com as atividades da associação, ela vai se aproximando cada vez mais da mesma, e após a conclusão dos estudos universitários, acaba por retornar novamente à associação. Mesmo que não retorne, fica resguardado o sentimento e interesse pela comunidade nikkei. Para despertar o interesse nos estudos das crianças o ambiente faz a diferença, e isso seria possível se transferisse o prédio da escola para o Centro Esportivo. E em Indaiatuba é possível disponibilizar uma ambiente que satisfaça as condições “Estudar, Brincar e Praticar Esportes”.

Quanto mais cedo proporcionarmos um ambiente de intercambio entre os nikkeis, mais interesse pode-se despertar para a língua japonesa e posteriormente despertar o interesse em participar das atividades da ACENBI. Dessa forma, metade dos problemas da associação estaria solucionada. Com esta sugestão do então presidente Gunji Matsumoto, a atual diretoria caminha para análise dessa sugestão e estudo de viabilidades para a concretização do mesmo.

A comemoração dos 50 anos, significou também, um marco para proporcionar novos rumos à ACENBI, fundamental para novas reflexões.