A cultura japonesa incorpora diversos instrumentos musicais, muitos deles de origem milenar. O Departamento de Wagaku da ACENBI mantém em sua programação cursos e treinamentos de Taiko, tendo planos para incorporar futuramente diversos outros instrumentos.

Com o intuito de fortalecer os laços de amizade entre Brasil e Japão, a JICA (Japan International Cooperation Agency) de São Paulo, através da Associação de Taiko do Japão, trouxe um professor para difundir e divulgar a arte de tocar Taiko nas diversas associações nipônicas do estado de São Paulo.

A ACENBI, ciente de que a arte do Taiko seria um poderoso instrumento para união dos jovens e para divulgação dos valores importantes da cultura japonesa — como determinação, disciplina, concentração, respeito às tradições, participou deste intercâmbio. Assim, no início do segundo semestre de 2002, foi criado o grupo Ryuu Taiko Dojo.

Nesta época, na ACENBI havia apenas um tambor grande e um pequeno, que eram usados somente em alguns eventos, geralmente para fazer acompanhamento e dar ritmo às melodias da tradicional dança de Bon Odori.

Em março de 2005 foi criado o mais novo departamento da ACENBI. Com objetivo de reunir o Taiko e demais instrumentos, como o fue e shamisen, foi oficializado como “Departamento de Wagaku”.

A origem do Taiko

Originário do continente asiático, o Taiko passou a fazer parte da cultura japonesa há 2 mil anos. É difícil especificar qual a sua origem, se na China, na Coréia ou até mesmo na Índia, mas o fato é que a paixão pelo instrumento só se desenvolveu mesmo no Japão, onde ganhou as características pelas quais é conhecido.

Inicialmente feito de cerâmica e de couro de veado, era usado em cerimônias religiosas. Mas com o passar dos séculos o Taiko passou a ser esculpido de um único tronco de árvore, sem emenda. Com a forma de um barril, afinado ligeiramente nas extremidades e coberto por couro de vaca, emite um som grave de longo alcance. Nas últimas três décadas, o Taiko sofreu recriações, existindo atualmente vários tipos e tamanhos. Além do belo visual, alguns permitem que o instrumento seja afinado.

Habitados por um “deus”

Ao longo do período de guerras que o Japão atravessou, há 600 anos, o Taiko foi muito usado para enviar mensagens. Ao som do Taiko, os inimigos eram intimados, por isso muitos acreditavam que esses tambores eram habitados por um “deus” que alertava e protegia a população dos males. Isso ocorria porque o espírito da árvore utilizada como matéria-prima e os espíritos de quem o confeccionava e o de quem o tocava também se incorporavam ao instrumento. Depois deste período, o Taiko passou a ser usado também em artes marciais, para anunciar acontecimentos importantes, como alerta contra intempéries da natureza, como sirene, como toque de advertência e muitas outras finalidades.

No século passado, com o uso do Taiko pelos agricultores para espantar os insetos e pássaros dos arrozais, iniciou-se o uso do mesmo nas danças folclóricas, principalmente em agradecimentos ao Pai Divino, pela farta colheita.